Para utilizar este site corretamente é necessário habilitar o javascript do navegador.

Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística

Arthur Moledo do Val e Kim Kataguiri falam sobre política


Arthur Moledo do Val e Kim Kataguiri abordaram o tema “Cenário atual da política e o futuro de nosso País”. Arthur é empresário do setor de reciclagem de aço, transportes e combustíveis, engenheiro e criador do canal Mamãe Falei, que tem mais de 650 mil inscritos no YouTube e mais de 900 mil curtidas no Facebook. Ganhou grande visibilidade quando começou a frequentar os protestos e eventos petistas fazendo perguntas simples, mostrando que os manifestantes não faziam a menor ideia do que estavam falando e defendendo. 
 
 
Já Kim é fundador e coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL), escreve para o HuffPost e é comentarista da rádio ABC. Perfis diferentes e complementares que enriqueceram o debate no X Encontro Nacional COMJOVEM.
 
 
“Tão importante quando a mensagem que você quer passar é o jeito com que faz isso. Passar a narrativa correta é fundamental”, afirmou Arthur. Durante toda a apresentação, os dois jovens provocaram diversas reflexões na plateia, que geraram debates.
 
Já Kim questionou os empresários presentes sobre um posicionamento mais decisivo nos últimos acontecimentos no Brasil. “Porque o setor de transporte de carga, que tem o poder de parar o país, não se organizou até agora para pedir mudanças? Nesse momento, algumas pessoas da plateia pediram a palavra para dar o lado do setor. Um deles foi Flávio Benatti, presidente da FETCESP e da seção de cargas da CNT.
 
“Nós fazemos um trabalho muito forte em Brasília para tentar mudar as coisas. A estrutura política do Brasil está toda errada. Mas não acreditamos que parar o país seja a solução. Temos outra forma de agir. O problema é bem mais complexo”. E exemplificou: “a reforma trabalhista só saiu do papel porque diversos setores atuaram fortemente, inclusive o de transporte de cargas”. 
 
 
Arthur encerrou a discussão deixando sua mensagem. “Não sejam corporativistas, a favor de privilégios, mesmo que eles te favoreçam. É preciso pensar no todo para que seja possível ter uma política mais justa”.