Para utilizar este site corretamente é necessário habilitar o javascript do navegador.

Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística
Expectativa para 2018

Scania aposta na retomada em 2018 e aponta os caminhos que pretende seguir para atingir seus obejtivos

Tue, 27 de February de 2018
Fonte: NTC&Logística
Em evento realizado ontem (26) para a imprensa, no Museu da Casa Brasileira, a Scania mostrou-se confiante com a retomada da economia e, consequentemente, em um balanço positivo do mercado de caminhões em 2018. De acordo com as previsões da marca, o resultado do segmento acima de 16 toneladas, que compreende os veículos semipesados e pesados, deverá superar as 40 mil unidades. Essa quantidade representa aumento de 30% em relação ao resultado de 2017. 
 
 
“Há um reaquecimento da economia com o aumento da confiança do consumidor, devido ao descolamento do cenário político. Temos uma melhora gradativa do mercado e contamos com alguns fatores que poderão ser decisivos para um ano melhor, como a baixa dos juros e uma renovação da frota Euro 5, adquirida no auge do mercado entre 2012 e 2014”, explica Roberto Barral, vice-presidente das operações comerciais da Scania no Brasil. 
 
 
Scania aproveitou o evento para apresentar, oficilamente, seu novo diretor de vendas de caminhões, Ricardo Vitorasso.
 
 
Retrospectiva 2017
 
No acumulado de janeiro a dezembro, a empresa emplacou 5.754 caminhões. Em todas as categorias em que atua, acima de 16 toneladas, – caminhões semipesados e pesados – houve alta de vendas e de participação de mercado. A Scania vendeu 36,5% a mais do que em 2016 (4.216 unidades), em um mercado total que cresceu 10,7%. No segmento dos pesados, que teve a briga mais intensa pela liderança da indústria, a marca vendeu 4.901 unidades. Alta de 39,5% em relação aos 3.514 modelos comercializados de janeiro a dezembro de 2016. Enquanto o mercado cresceu 26,5%. Foi o maior crescimento entre as marcas de caminhões. 
 
A Scania teve Market Share de 26,1% em 2017 contra 23,5% de 2016. Nos semipesados, as 853 unidades comercializadas pela marca propiciaram um acréscimo de 21,5%, no comparativo com os 702 veículos de 2016, e foram na contramão da queda de 5,7% da categoria. “Foi o maior índice de crescimento da categoria. Ficamos pela primeira vez em quinto lugar no total e estivemos muito perto da quarta colocação no acumulado. A participação subiu de 4,7% para 6,3%”, explica Barral. 
 
As vendas para o agronegócio representaram cerca de 25% de todo o volume vendido de caminhões rodoviários em 2017.
 
Manutenção Scania com Planos Flexíveis
 
A Scania lançou na última FENATRAN, em outubro de 2017, o Plano de Manutenção Flexível e desde então já foram mais de 1.000 contratos negociados. 
 
O serviço com uso inteligente de dados é algo inédito no mercado nacional e apresentou ao transportador uma solução inovadora para fazer a gestão de sua frota, a fim de encontrar alternativas cada vez mais rentáveis para o negócio. A previsão da Scania é que a Manutenção com Planos Flexíveis já represente mais de 50% das vendas de Programas de Manutenção no País até o final de 2018.
 
“Confiamos na eficácia deste produto, pois sabemos que essa preocupação com cada detalhe da operação dos clientes é uma exclusividade da Scania. Colocamos o mercado de transporte nacional no patamar de personalização da operação, ou seja, conseguimos oferecer serviços individualizados e com pagamento variável de acordo com a necessidade de cada caminhão de cada frota. Antes ninguém tinha pensado nisso”, esclarece Gustavo Andrade, gerente do portfólio de Serviços.
 
A conectividade é a base de funcionamento da Manutenção com Planos Flexíveis, pois é por meio dos dados recebidos que a cobrança do plano de cada caminhão é feita, além do próprio cálculo do plano e as próximas paradas. Com pouco mais de um ano de operação, a Scania já chega a marca de 8 mil veículos conectados em todo o Brasil.
 
O novo sistema permite a conexão de informações feita por meio dos Serviços Conectados, identificando diversos fatores como estilo de condução do motorista, velocidade média, consumo de combustível e intervalos de manutenção. Portanto, passa a existir uma gestão compartilhada entre a transportadora e a rede de concessionárias, resultando em mais assertividade e previsibilidade da operação.
 
Um dos grandes diferenciais do Programa Scania com Planos Flexíveis é saber o momento exato da parada preventiva, assim como o conteúdo exato da revisão conforme a operação de cada caminhão. Com essa previsibilidade, as manutenções passam a acontecer no momento correto, reduzindo em até 75% o tempo do veículo na oficina. Outro benefício desse adiantamento de informações está no custo da manutenção, que reduz em até 16%. 
 
Cobrança justa com condução que faz a diferença
 
O transportador que aderir ao Plano de Manutenção Flexível contará também com alguns diferenciais no contrato, que nesta modalidade é sem período de vigência. Um deles é o formato de pagamento. A mensalidade passará a acontecer de acordo com a quilometragem do veículo, sem parcela fixa, que muitas vezes onera a transportadora. Caso o caminhão passe um período parado, não haverá custo neste intervalo. 
 
Outra vantagem é que a quilometragem passa a estar conectada ao consumo de combustível por meio de faixas de economia determinadas, tornando a cobrança mais dinâmica conforme a operação. Ou seja, os veículos que consumirem menos diesel entram em uma faixa de menor demanda de manutenção preventiva, e de tarifas reduzidas por quilômetro rodado. Dessa forma, a boa performance e a condução do motorista passam a fazer ainda mais diferença, sendo um fator crucial para a redução do valor mensal.
 
Para auxiliar o transportador a atingir a excelência nas faixas mínimas de consumo, a área de Serviços Scania oferece um programa de condução econômica personalizado para os motoristas, chamado Driver Services. 
 
Facilidade e agilidade na rede
 
O Programa com Planos Flexíveis permite à Casa Scania e aos clientes receberem antecipadamente as informações sobre a data sugerida de atendimento e quais serviços serão necessários. Com essa agilidade, a parada se torna customizada para o cliente e a concessionária passa a otimizar a operação na oficina com um planejamento ativo do controle dos agendamentos, entrada e saída dos caminhões, avaliação da utilização das peças, mais eficiência na seleção do time de mecânicos, para determinado atendimento, e maior previsão do uso de equipamentos e ferramentas. Essa programação reduz em até 75% o tempo na oficina, em comparação aos veículos com paradas não planejadas.