Para utilizar este site corretamente é necessário habilitar o javascript do navegador.

Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística
Agronegócio

VLI promove nova rota com balsas para escoar soja de MT e PA ao Porto de Itaqui

Fri, 31 de March de 2017
Fonte: Intelog
A VLI, empresa de soluções logísticas que integram terminais, ferrovias e portos, participa na próxima quarta-feira (29) da inauguração uma nova rota de fomento para agilizar o escoamento da produção agrícola do leste de Mato Grosso e sudeste do Pará com destino ao Terminal Integrador Porto Nacional, no Tocantins. O terminal é interligado à Ferrovia Norte-Sul e forma um corredor eficiente até o porto do Itaqui.
 
 
A nova rota consiste na integração de duas balsas que farão a travessia dos caminhões por 4 km de margem a margem do rio Araguaia, entre as cidades de Santana do Araguaia (Pará) e Caseara (Tocantins). Um evento na quarta-feira com transportadoras, representantes das principais tradings agrícolas do país e gestores da VLI, vai marcar a apresentação da nova rota de fomento que visa diminuir custos e distâncias ao agronegócio.
 
 
Para chegar ao Terminal Integrador Porto Nacional pelo novo fluxo, as cargas oriundas do leste mato-grossense e sudeste paraense seguirão por caminhão pela BR-158, acessarão a PA-411 até Santana do Araguaia e, de lá, embarcarão nas balsas até Caseara. Depois, seguirão pelas rodovias TO-080 e BR-226 até o terminal. Dos terminais, as cargas seguem pela Ferrovia Norte-Sul e depois acessam a Estrada de Ferro Carajás para chegarem ao porto do Itaqui.
 
 
Para oferecer essa nova solução logística, a VLI firmou parceria com a Brinave, um consórcio formado pelas empresas R. Navegações e Bravo Serviços Marítimos que construiu e agora vai operar as duas balsas.  Uma delas terá capacidade para transportar 6 bi-trens, enquanto a outra possui espaço para 8 rodotrens. Estão previstas 11 viagens por dia e a capacidade será de transportar 200 mil toneladas de soja por mês.
 
 
“A missão da VLI é apresentar soluções logísticas que gerem valor ao negócio de nossos clientes. Incentivar esta nova rota, com a integração das balsas, vai ao encontro desta missão. Temos uma estrutura eficiente, integrada e pronta para atender a maior região produtora de soja do país”, diz o gerente de terminais da VLI, Leonardo Paiva.
 
 
O Terminal Integrador Porto Nacional é um dos mais novos da VLI, inaugurado em março de 2016 junto com o Terminal Integrador Palmeirante, este localizado ao norte do Tocantins. Juntos, os terminais totalizam um investimento de R$ 264 milhões e possuem capacidade para movimentar por ano cerca de 6 milhões de toneladas de produtos como soja, milho e farelo.
 
 
Ambos destacam-se pela capacidade de movimentação de grãos para o corredor Centro-Norte representando uma alternativa de escoamento em larga escala para a produção agrícola brasileira. Neste corredor, que começa nos terminais integradores e chega ao Terminal Portuário do Itaqui, os investimentos chegam a R$ 1,7 bilhão.
 
 
A localização dos terminais de Porto Nacional e Palmeirante favorece o fluxo constante dos produtos pela ferrovia. As unidades possuem sistemas automatizados de recepção, pesagem e carregamento, garantindo alta produtividade e segurança operacional.  Eles têm capacidade para descarregar 450 e 700 caminhões por dia, respectivamente.
 
 
Além disso, contam com uma pera ferroviária interligada à malha da Ferrovia Norte Sul e uma tulha de carregamento com capacidade para carregar um trem de 80 vagões em 4 horas 30 minutos. Esses dispositivos formam uma moderna e arrojada solução logística em formato circular que possibilita o transbordo das cargas sem necessidade de desmembrar o trem, aumentando a eficiência das manobras de entrada e saída dos terminais.
 
 
O Terminal Integrador Porto Nacional tem capacidade para armazenar até 60 mil toneladas de grãos e movimentar 2,6 milhões de toneladas do produto por ano. Já o Terminal Integrador Palmeirante possui um armazém de 90 mil toneladas, que já é considerada a maior estrutura de armazenagem do Tocantins, e pode expedir até 3,4 milhões de toneladas anualmente.