Para utilizar este site corretamente é necessário habilitar o javascript do navegador.

Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística
Fiscalização

Auditores suspendem liberação de cargas em Viracopos, diz sindicato

Tue, 13 de September de 2016
Fonte: G1

Remessas que exigem conferência física não serão fiscalizadas, diz entidade.

Trabalhadores aderiram ao movimento nacional por reajuste em 14 de julho.

 

 

Os auditores fiscais da Receita Federal que trabalham no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), decidiram suspender a liberação de algumas cargas nesta segunda-feira (12). Desde 14 de julho os funcionários do terminal aderiram à "Operação Padrão" - que atrasa o processo de liberação - adotada pela categoria em todo o Brasil em protesto por reajuste salarial.

 

Os trabalhadores não deverão liberar as cargas do "canal vermelho", aquelas selecionadas mediante protocolo próprio da Receita e que exigem conferência física, até a próxima sexta (16), de acordo com o sindicato da categoria.

 

As demais cargas destinadas ao "canal verde", que só passam por conferência de documentação, serão liberadas, mas com lentidão devido ao aumento no rigor da fiscalização, por conta da "Operação Padrão".

 

Cerca de 50 caminhões, segundo o sindicato, formaram fila durante esta segunda-feira na entrada do terminal de cargas.

 

As remessas perecíveis, de medicamentos e cargas vivas não serão barradas pelos auditores fiscais durante esse acirramento da "Operação Padrão".

 

Até cinco horas de demora

Até a semana passada, a operação era adotada nas terças e quintas-feiras, somente, tornando os processos de liberação de cargas mais demorados. Remessas que levariam 15 minutos passaram a demorar até cinco horas para serem fiscalizadas pelos auditores.

Desde o início deste mês a operação passou a não ter mais dias certos para ocorrer.

 

Reajuste de 21,3%

Os auditores querem a efetiva implantação de um Projeto de Lei que garante o ajuste salarial de 21,3%, entre outros itens. O acordo tinha sido fechado com o governo da ex-presidente Dilma Rousseff e garantia a implementação da PL no mês de agosto, o que não aconteceu.