Para utilizar este site corretamente é necessário habilitar o javascript do navegador.

Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística
Roubo de Cargas

Estado do Rio registra 246 casos de roubos de cargas em 11 dias

Fri, 11 de August de 2017
Fonte: O Globo
Após o início das operações das Forças Armadas no Rio, o estado registrou, ao longo de 11 dias, um aumento na quantidade de roubos de cargas. Um levantamento da Polícia Civil aponta que, de 28 de julho até terça-feira, houve um total de 246 casos. A estatística corresponde a uma média de 22 a cada 24 horas. No ano passado, no mesmo período, foram contabilizados um total de 195.
 
O combate ao roubo de cargas é uma das prioridades das tropas mobilizadas no estado. Equipes da Força Nacional de Segurança, da Polícia Rodoviária Federal e das Forças Armadas estão no Rio apoiando operações das polícias Civil e Militar. O patrulhamento tem sido reforçado nas proximidades dos complexos do Chapadão e Pedreira e na Favela do Salgueiro, em São Gonçalo.
 
Desde o início das operações federais, o diretor de segurança do Sindicato do Transporte de Cargas, coronel Venâncio Moura, vem questionando a fórmula usada no combate ao crime no estado. Segundo ele, que foi comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope), a Polícia Militar poderia conter a onda de violência sem precisar de ajuda:
 
— Basta um planejamento sério. A PM tem condições de cuidar do assunto. Na atual situação, defendo que os 9 mil homens lotados nas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) sejam deslocados para ações de patrulhamento, atuando no asfalto.
 
O diretor do Sindicato do Transporte de Cargas afirmou que o Estado do Rio tinha, até 2013, uma média de 3.500 roubos de cargas por ano. A partir de 2014, a estatística subiu para dez mil casos anuais.
 
Prejuízo 
 
Roubos de cargas no estado deixaram um prejuízo de R$ 619 milhões em 2016, de acordo com um estudo feito pelo Sistema Firjan. Segundo a pesquisa, concluída no início deste ano, houve um aumento de 220,9% no número de casos desde 2011, e as perdas no período chegaram a R$ 2,1 bilhões.
 
De janeiro a dezembro de 2016, o Rio teve 9.862 roubos de cargas, registrando o terceiro ano consecutivo de aumento desse tipo de crime. De acordo com o estudo “O impacto econômico do roubo de cargas no Estado do Rio de Janeiro”, 12 das 139 delegacias da Polícia Civil fluminense concentraram mais da metade das ocorrências.
 
De 2011 a 2016, foram mais de 33,2 mil casos — uma média de um a cada uma hora e 35 minutos. A Região Metropolitana concentrou 94,8% do total de registros (31,5 mil). O aumento do crime ao longo desses seis anos foi mais acentuado na Baixada, na capital e no Noroeste Fluminense. Em Guapimirim, o crescimento foi de 2.600%; Japeri teve aumento de 1.700%; Mesquita, 1.031%, e Itaguaí, 1.000%.
 
O coronel Venâncio Moura disse que o aumento tem uma explicação. O tráfico de drogas teria expandido suas ações para o comércio de mercadorias roubadas.
 
— Desde que os traficantes de drogas migraram para os roubos de cargas os números só aumentam. A média anual sempre foi de aproximadamente 3 mil roubos. Agora, fica em torno de dez mil — afirmou o oficial reformado, acrescentando que os assaltantes têm um arsenal de dar inveja a exércitos de países em situação de guerra.
 
Reforço para o presidente de R$ 619 milhões
 
Cariocas voltaram a ver, ontem pela manhã, soldados do Exército em alguns pontos da cidade. Muitos estavam posicionados em passarelas da Avenida Francisco Bicalho, na Leopoldina. Mas, segundo o Comando Militar do Leste, a tropa não estava realizando mais uma etapa da Operação O Rio Quer Paz e Segurança: as Forças Armadas foram mobilizadas para garantir a segurança do presidente Michel Temer, que veio ao Rio.
 
As tropas foram colocadas em pontos estratégicos de um percurso feito pela comitiva presidencial. Temer foi ao Centro de Convenções Sul-América, na Cidade Nova, para participar da 36ª edição do Encontro Nacional de Comércio Exterior.