Para utilizar este site corretamente é necessário habilitar o javascript do navegador.

Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística
Interdição

RJ-163 é interditada por tempo inderterminado em Visconde de Mauá

Wed, 07 de March de 2018
Fonte: Extra.com
A RJ-163, que liga à Rodovia Presidente Dutra à região de Visconde de Mauá, em Resende, no Sul Fluminense, - a cerca de 205 km do Rio, foi interditada por tempo indeterminado, nesta terça-feira, para limpeza e estudo de segurança da via. A estrada está bloqueada desde a madrugada de domingo, quando um temporal provocou a queda de 50 barreiras na região. Na segunda-feira, a via foi reaberta por algumas horas para veículos leves, mas, como não havia condições de tráfego, voltou a ser fechada no início da noite.
 
O diretor da Defesa Civil de Resende, Atanagildo de Oliveira Alves, explicou que engenheiros do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), técnicos da Defesa Civil municipal e geólogos do Departamento de Recursos Minerais do estado estiveram nesta terça-feira na região para avaliar as condições do principal acesso à Visconde de Mauá.
 
— A desobstrução será demorada porque foram muitos pontos de quedas de barreira, e estamos fazendo o serviço apenas com máquinas comuns para não danificar ainda mais a pista. Mas já estamos desobstruindo a RJ-161, na Serra do M, que liga Resende ao estado de Minas Gerais. É uma estrada de chão, mas fica mais fácil para limparmos com retroescavadeira de esteiras — disse Atanagildo.
 
Com o fechamento da RJ-163, moradores e comerciantes temem o desabastecimento de combustível e de alimentos em Visconde de Mauá.
 
— Já estamos passando por um período difícil por conta da baixa temporada e da informação de caso de febre amarela em macaco, em Itatiaia, mas agora a situação piorou com a interdição. Caminhões grandes não sobem nem descem. Com isso, não tem coleta de lixo nem entrega de combustível. O posto aqui perto está com um fila de cerca de 50 carros para abastecer, são motoristas com medo de ficar sem gasolina — disse a comerciante Mariana Dantas, que já fez um estoque de comida e bebida para abastecer o bar e a casa onde mora.
 
O presidente da Associação Turística e Comercial da Região de Visconde de Mauá, Paulinho Gomes, afirma que a situação no distrito ficou muito complicada.
 
— Estamos isolados. Tira uma barreira, cai outra. O volume de chuva foi muito grande. Nunca vi isso ao longo dos 35 anos que moro aqui. As prefeituras de Itatiaia e Resende deram apoio para retirar as primeiras barreiras, mas precisamos de mais assistência. O governo do estado vai ter que ter ação muito emergencial, porque a estrada caiu e as cortinas de sustentação da via também caíram.
 
Segundo ele, além da questão turística, o medo é de uma tragédia na região:
 
— Vimemos exclusivamente do turismo, são mais de 6 mil pessoas que dependem do turismo. Mas o nosso medo maior é de que uma catástrofe aconteça. E aqui ainda temos muitos idosos, crianças, portadores de deficiência e até gente que precisa de ir ao médico ou fazer cirurgias, mas que não conseguem sair da região.
 
O presidente da associação ressaltou, no entanto, que a chuva não provocou grandes estragos em Visconde de Mauá:
 
— Apesar da grande quantidade de chuva, a região está apta a receber turistas. O problema todo está no acesso, na Serra. Quando liberarem a via, a vida seguirá normalmente aqui — disse ele acrescentando — na associação, já estamos providenciando faixas para direcionar e indicar o turista como chega pela chamada Serra do M. Vamos instalar amanhã. Até que tudo se normalize, os turistas vão ter todo o nosso apoio. Estou agendando uma reunião com o governador, as prefeituras, o Inea, a Defesa Civil e a Secretaria de Turismo.
 
Segundo a prefeitura de Resende, o bloqueio da rodovia fechou os acessos a Maringá e Maromba, em Itatiaia; Visconde de Mauá, Lote Dez, Campo Alegre, Rio Preto e Bagagem, em Resende. De acordo com a Defesa Civil, choveu 200 milímetros em três horas, o previsto para todo o mês de março.
 
Na Região Serrana, o temporal de sábado deixou um morto e 18 famílias desalojadas em Petrópolis. No bairro Caxambu, um dos mais atingidos, ruas, casas e lavouras foram destruídas. O produtor rural Danilo Oliveira dos Santos, de 30 anos, foi arrastado pela enxurrada por cerca 20 quilômetros ao tentar salvar o carro. O corpo dele foi achado, na tarde de domingo, no distrito de Nogueira.