IRU: Por que o transporte rodoviário precisa de governança de dados

Dados são poder. No mundo do transporte , onde veículos e empresas geram grandes quantidades de dados, quem detém esse poder? Sem uma estrutura legal para regulamentar o uso de dados business-to-business (B2B) no nível da UE, a questão permanece sem resposta.

Como principais geradores de dados no setor, os operadores de transporte estão preocupados com a falta de regulamentação e transparência. Para onde vão os dados produzidos por seus veículos? Como é usado e por quem? Eles podem acessar seus próprios dados? A incerteza torna as operadoras de transporte hesitantes em compartilhar dados com outras empresas. Esta questão crescente foi colocada na agenda dos decisores da UE durante a Conferência da UE da IRU em outubro.

Recentemente, a UE renovou o seu compromisso de impulsionar a sua estratégia digital. Identificou a digitalização como uma das principais alavancas para relançar a europeia após o COVID-19. Mas como ele planeja tornar o compartilhamento de dados uma realidade para todas as empresas?

A confiança é a base do compartilhamento de dados em uma digital de sucesso. Isso só pode ser estabelecido por meio da igualdade de oportunidades.

A IRU identificou três princípios-chave para garantir a justiça dos dados.

Adoção de um quadro jurídico da UE para o fornecimento de dados business-to-business
A estrutura deve incluir explicitamente os princípios para o compartilhamento voluntário de dados e reciprocidade quando se trata de acesso aos dados, definir claramente as obrigações e responsabilidades dos agregadores de dados e reconhecer os direitos dos geradores de dados.

Fornecer incentivos financeiros às operadoras
Mais de 80% dos operadores de transporte de mercadorias e passageiros na UE são pequenas e médias empresas (PME), com um a 10 veículos por operador. A atualização para ferramentas digitais e o treinamento da equipe exigem investimentos significativos, para os quais as empresas precisam do apoio do governo.

Compense as operadoras de transporte por compartilharem seus dados
O futuro quadro de dados deve também garantir que os operadores de transportes possam solicitar e receber uma remuneração financeira em troca dos dados fornecidos. A menos que os benefícios da partilha de dados sejam claros para os operadores de transportes, não se deve esperar que entreguem as suas informações gratuitamente num mercado estimado em 1 bilião de euros, ou cerca de 8% do PIB combinado da UE-27.

A digitalização do transporte tem o potencial de trazer muitos benefícios para empresas, consumidores e sociedade. Mas só se for bem feito.

——

Observação: A matéria é a nível mundial para entender como é o comportamento do setor no geral. Aqui no Brasil as empresas vêm se adequando a LGPD, fazendo com que o setor seja uns dos pioneiros em relação ao mundo.

Tradução: Mikael Costa, consultor de Relações Públicas da &Logística.

Fonte: IRU

Governança de dados

%d blogueiros gostam disto: