Sebrae promove debate sobre o setor logístico do Rio de Janeiro

Durante a feira de negócios Click Empreendedor, o Sebrae Rio promoveu um amplo debate sobre o desenvolvimento do Programa de Encadeamento Produtivo do Setor Logístico, com a participação de representantes da Secretaria Estadual de Transportes, da Fetranscarga, do Sistema Fecomércio Rio, do Sescoop, da Porto Sudeste, Nissan, Steffen, Sepetiba Tecon, dentre outras companhias. A iniciativa teve o objetivo de atuar junto às empresas de grande e médio porte para a inserção e o aumento da participação das micro e pequenas empresas na rede de fornecedores do setor logístico.

O programa foi desenvolvido pelo Sebrae Rio a partir de uma demanda do Governo do Estado, como parte do Plano Estratégico de Logística e Cargas do Estado do Rio. A instituição realizará a capacitação das pequenas empresas com foco no aumento da produtividade e competitividade, para a inserção na cadeia produtiva do setor. A proposta é colaborar para a consolidação do Rio de Janeiro como um hub logístico nacional e internacional, gerando oportunidades de negócios para as micro e pequenas empresas e apoiando a retomada do crescimento econômico do estado.

Gerente de Grandes Empreendimentos do Sebrae Rio, Renato Regazzi afirmou que o setor de logística pode ser um dos grandes vetores de desenvolvimento do Rio de Janeiro. “Ele tem grande capacidade de geração de emprego, renda e para o estado a partir do fomento das micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do setor”, afirmou Regazzi. 

A realização das mesas redondas propiciou um amplo debate sobre alternativas, sinergias e desafios para convergir todos os empenhos com base nas vocações competitivas de cada região. Elas foram realizadas entre os dias 1 e 4 e contaram com a presença de representantes de grandes empresas do setor logístico, com foco nas compras locais e no desenvolvimento de fornecedores de pequeno porte. Também houve apresentação de como se qualificar para atender o setor logístico.

Região estratégica para o desenvolvimento

O Rio de Janeiro tem forte vocação para escoamento de derivados de óleo e gás, minério de ferro, produtos siderúrgicos e industrializados. Graças à presença de -secos, portos e terminais marítimos, rodovias que ligam os dois grandes motores econômicos do país (Rio e São Paulo), dois aeroportos internacionais, um na capital e outro na Região dos Lagos, e área de influência da Bacia de Campos, homologada para cargas especiais e de grande porte; sem contar a presença de conexões ferroviárias, especialmente no corredor Minas-Rio, unindo ainda mais parte dos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santos e Minas Gerais.

O resultado destes ativos, mais a presença de instituições, como o Sebrae Rio com projetos de Encadeamento Produtivo para o setor Logístico, tornará mais forte a capacidade operativa do estado para serviços de importação e exportação de carga solta, granéis sólidos, derivados químicos e um conjunto de bens e produtos industrializados, produzidos e exportados pelos clusters fluminense, como o Metalmecânico e o Automotivo, no Sul Fluminense; o Aeronáutico, no eixo entre o distrito industrial de Xerém e as cidades de Petrópolis e Três Rios, o Exportador de Moda, na Região Serrana, e o Polo do Mar, que começa a se desenvolver.

A gama de bens e serviços demandados tanto por operadores logísticos como por concessionárias de estruturas portuárias e transporte de cargas é bem extensa. Pequenas empresas que tiverem boa capacidade de fornecimento em prazo e em conformidade poderão encontrar algumas oportunidades no fornecimento de peças forjadas, fundidas e usinadas sob encomenda, desenvolvimento de ferramental, suprimíveis para atividades de manutenção e reparo (MRO), entre outros, além de serviços de manutenção de instalações elétricas, hidráulica e pequenas obras civis etc.

Programa foca em quatro eixos estratégicos

O gerente Renato Regazzi destaca também que o programa está ancorado em quatro eixos estratégicos. “O eixo Encadeamento Produtivo Corpore com grandes empresas do setor, a exemplo da Vale que já tem convênio com o Sebrae para o desenvolvimento de fornecedores no entorno de Mangaratiba; o eixo de Polos Competitivos, como o Polo do Mar nas Baias de Sepetiba, Angra e da Guanabara e no Complexo do Açu, de óleo e gás; além do eixo Fomento nos Processos de Concessão, conforme as vocações econômicas locais, os clusters, para o desenvolvimento de fornecedores locais e também será formatado um programa de Marketing Integrado de Procedência, com a participação de todos os parceiros, para divulgar os ativos do Rio de Janeiro para a indústria e o , visando o adensamento da cadeia produtiva em todo o estado e no país. O setor logístico é multissetorial, empresas de vários segmentos podem fornecer para o setor logístico ou outros complementares”, ressaltou Regazzi.

Fonte: Jornal Atual

Logística


Desenvolvido por Controle Online - Desenvolvimento de aplicativos

Hospedado por Go Infinite