Nada mais será como era antes

Apesar das incertezas que ainda cercam a , a saúde, o emprego, a educação e as relações em meio à pandemia do novo coronavírus, uma coisa é certa: o mercado que se tinha antes da Covid-19 não volta mais! 

Quem desenha o novo cenário e fala sobre as mudanças em curso é o economista Paulo Roberto Simões. Diretor da Consumeta Consultoria, Pesquisa e Projetos, o economista aponta algumas das principais transformações propiciadas pela Covid-10, mas não para por aí! Ele ainda lista quatro dicas práticas que os transportadores devem levar em conta se quiserem manter seu negócio de pé.

A primeira coisa para a qual Simões chama a atenção é que o cenário de hoje não é, nem de longe, parecido com o de março. Segundo ele, já é grande o grupo que defende a perpetuação do sistema home office no lugar do trabalho presencial para muitos setores. “Muita gente se deu conta que o home office mantém a produtividade e reduz custo”, resume.

Outra tendência observada por ele diz respeito ao transporte de carga fracionada. Mas não à carga fraccionada que existe hoje, e sim àquela de pequenos volumes, fruto de compras online. 

“Em razão do isolamento, as pessoas estão se acostumando a comprar de casa. Isso está fazendo com que a plataforma de e-commerce cresça absurdamente e muitas empresas que não trabalhavam nesse sistema estão aderindo. A venda porta a porta vai mandar no mercado e isso nos levará a uma maior concorrência, já que com as várias opções de escolha, o público terá o quê e onde escolher, e ficará mais criterioso”.

O cenário não é dos mais otimistas. Projeções de institutos especializados dão conta de que o PIB de 2020 será o pior dos últimos cinco a 10 anos, e que de 20 a 40% das micro e pequenas empresas vão fechar até o final do ano. “A crise atual tende a ser mais grave do que a de 2015/2016 porque o fator venda está bem próximo do zero em muitas companhias. E sem fundo de caixa para sobreviver muito tempo, elas estão gastando suas reservas faturando quase nada”, explica Simões.

Sim, as projeções não são as melhores. Mas é possível ver luz no final do túnel. As pessoas estão aprendendo a ser empreendedoras. E isso, na visão do economista, vai criar uma onda de desenvolvimento no pós-pandemia. “As pessoas vão se mostrar mais preparadas. Em virtude do desemprego, vão procurar outras coisas para fazer, em que investir. Ou seja, vão começar a empreender e isso também vai marcar o ‘novo’ mercado”. 

Dicas para ajudar a vencer a crise

Para quem deseja manter seu negócio vivo, a receita é estudar, analisar, olhar com atenção para o mercado e colocar a mão na massa! Como diz o velho ditado, “é o olho do dono que engorda o gado”, mas Paulo Roberto Simões apresenta quatro dicas que podem ajudar a vencer a crise.

– Planejamento Estratégico: “A figura do Planejamento Estratégico está mais forte do que nunca. Empresas que ainda não fazem terão que fazer para aprender a diferenciar seu negócio. O fator comparação fica cada vez mais evidente num mercado marcada pela grande concorrência. O que você terá de fazer para levar o cliente e fechar uma carga com você e não com seu concorrente? Perguntas desse tipo têm que fazer parte da rotina do empresário.”

– É hora de rever processos internos: “O que posso fazer para aumentar a minha produtividade, fazer mais com menos? Serão mais competitivas as empresas mais produtivas, e isso tem a ver com prazo de entrega, acuracidade, qualidade, manuseio com as cargas. Vale lembrar que estamos lidando com um público mais criterioso, cheio de opções. O transporte de cargas terá que se reinventar porque a tecnologia tende a baratear todo o processo”.

– Ter bom sistema de controle em índice de desempenho: “Isso é fundamental e passa pelo Planejamento Estratégico, pois se não sei para onde estou indo, como vou saber qual índice preciso melhorar, o que medir, como medir? O novo mercado exige, mais do que nunca, que o empresário conheça bem seu negócio, seu cliente. Isso gera valor!”

– Novo tipo de remuneração: “O que está em evidência é o sistema de remuneração estratégica, que não foca no salário fixo, mas em como posso atrelar ganho ao meu desempenho. 

Afinal, o que vale é o desempenho, o resultado, e não o tempo levado para desenvolver uma tarefa. Muita gente ainda pensa que alguém só é capaz de produzir se estiver fazendo alguma coisa. O mercado pede estratégia! Como ser estratégico sem pensar, apenas executando?”, questionou ele, que discutiu esse tema em 25 de junho, na primeira edição virtual do Encontro com Gerentes do Transcares.

Fonte:


Desenvolvido por Controle Online - Desenvolvimento de aplicativos

Hospedado por Go Infinite