GESTÃO FINANCEIRA EM EMPRESAS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

RESUMO GESTÃO FINANCEIRA EM EMPRESAS DE TRANSPORTE DE CARGAS

Este artigo tem como objetivo reproduzir um estudo realizado pelos autores para finalização do curso de pós graduação em gestão de negócios pela Fundação Dom Cabral sobre as melhores práticas e ferramentas financeiras existentes a fim de encontrar a melhor maneira de auxiliar gestores do setor de transporte rodoviário de cargas na gestão de suas empresas.Para a realização deste , além da revisão bibliográfica sobre transporte rodoviário de cargas, contabilidade gerencial, controladoria, gestão e ferramentas de controle financeiro, foram visitadas três empresas do setor de transporte rodoviário de cargas com faturamento de R$ 300.000,00 a 1.000.000,00. Após estudo bibliográfico, a ferramenta “fluxo de caixa” foi escolhida para ser analisada nas empresas visitadas e através desta análise foi possível detectar os falhas na gestão dessas empresas e o surgimento de uma proposta que auxilie os gestores na gestão financeira das mesmas. Atualmente nas empresas do setor a gestão financeira é um dos itens críticos, muitas vezes por falta de planejamento. Através do planejamento definem-se os objetivos a serem alcançados e as ações para torná-los reais. As boas práticas contábeis são importantíssimas na geração de informações para as atividades do dia-a-dia, sendo também de extrema importância para identificar previamente as necessidades da empresa, antevendo os resultados financeiros das mesmas além de prover informações posteriores à execução dos serviços prestados.

Palavras Chave: Gestão Financeira,Fluxo de Caixa, Planejamento, Controle Contábil

ABSTRACT FINANCIAL MANAGEMENT IN BUSINESS ROAD CARGO TRANSPORT

This article aims to reproduce a study conducted by the authors for completion of graduate course in business management from Fundação Dom Cabral on best practices and existing financial tools in order to find the best way to assist managers of the road transport sector loads in managing their empresas.Para this work, in addition to literature review on road transport charges, management accounting, controlling, financial management and control tools were visited three companies in the trucking industry loads R billing $ 300,000.00 to 1,000,000.00. After bibliographical study, the
“cash flow” tool was chosen to be analyzed in the visited companies and through this analysis it was possible to detect failures in the management of these companies and the emergence of a proposal to assist managers in financial management thereof. Currently the companies in the sector financial management is one of the critical items, often for lack of planning. Through planning are defined the objectives to be achieved and actions to make them real. Good accounting practices are very important in generating information for day-to-day and is also extremely important to identify in advance the company’s needs, anticipating the financial results of these in addition to providing further information to perform the services.

Keywords : Financial Management, Cash Flow Planning , Accounting Control

1- INTRODUÇÃO

Este estudo aborda práticas de contabilidade gerencial importantes para a geração de informações relevantes a um empresário do setor de transporte rodoviário de cargas.

A maioria das empresas de transportes inicia suas atividades informalmente, através de um vendedor de fretes que resolveu abrir sua própria transportadora ou um motorista que compra seu primeiro caminhão e após alguns anos consegue comprar um segundo ou terceiro caminhão. Estas são histórias recorrentes no setor quanto ao surgimento das empresas.

Existem poucas barreiras para entrada neste segmento e por este motivo o crescimento da competição no mercado exige das empresas maior controle na gestão dos recursos financeiros, tornando de grande importância a adoção de um sistema de gestão financeira que auxilie no planejamento e utilização dos recursos financeiros.

A gestão financeira desempenha um papel importante nas tomadas de decisões da empresa sendo relevante no planejamento das necessidades, na inventariação dos recursos disponíveis, na obtenção de financiamentos de forma mais vantajosa, na aplicação criteriosa dos recursos financeiros e, principalmente, na análise econômica e financeira da mesma.

Nesta pesquisa foi realizado um estudo bibliográfico sobre o setor de transporte rodoviário de cargas e suas características, bem como o estudo da ferramenta de gestão financeira “fluxo de caixa”.

Segundo Marion (2003) o fluxo de caixa é um instrumento pelo qual o administrador financeiro planeja e administra as entradas e saídas de dinheiro do caixa da empresa, esta ferramenta proporciona ao gestor uma visão nítida e diária da saúde de sua empresa.

Através da análise de fluxos de caixas (reais) utilizados por empresas do setor de transporte rodoviário de carga realizou-se um estudo sobre qual a melhor forma de estruturar esta ferramenta e de fazer com que o gestor a utilize e beneficie-se das informações obtidas.

O setor de transporte tem como característica um elemento importante em todo o processo de movimentação de carga no território brasileiro, onde mais da metade da carga transportada no país é realizada através de rodovias. Em pesquisa da Confederação Nacional de Transportes (CNT), 61% de toda a carga transportada no Brasil em 2009 usou o modal rodoviário, enquanto 21% passaram por ferrovias, outros 14% pelas hidrovias e terminais portuários fluviais e marítimos e apenas 0,4% por via aérea.

De acordo com o ultimo Registro Nacional de transportes Rodoviários de Cargas – RNTRC emitido pela ANTT, em 2014 o Brasil possuía o total de 1.017.627 empresas registradas para atuar no setor rodoviário, onde 848.772 são Transportadores Autônomos de Cargas – TAC, 168.450 Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas – ETC e 405 Cooperativas de Transporte Rodoviário de Cargas – CTC. A Frota em 2014 totalizou 2.239.158 veículos.

Tomando como referência a mesma fonte, embora o cenário possa parecer promissor para as empresas do setor, as mesmas nos últimos anos vêm encontrando dificuldades em relação à rentabilidade e boa produtividade. A triste realidade demonstra que as empresas padecem do mau crítico e baixa lucratividade, pequena produtividade e alto endividamento, e na sua maioria operam com prejuízo no período.

2 BENCHMARKING REALIZADO: REALIDADES ORGANIZACIONAIS
Foram visitadas três empresas do setor de transporte rodoviário de cargas com faturamento de R$ 300.000,00 a 1.000.000,00 atuantes do interior de São Paulo.

Nas visitas observou-se toda a operação da empresa explicada pelo dono, além de uma breve descrição do mesmo sobre o seu dia a dia.

Ao questionarmos a utilização da ferramenta “Fluxo de Caixa”, em todas as empresas fomos encaminhados para o setor financeiro, pois o gestor não estava familiarizado com a ferramenta.

Em todas as empresas foram obtidas as cópias de seus fluxos de caixa bem como uma explanação do funcionário de como este é lançado e utilizado. Analisando o fluxo de caixa das três empresas envolvidas, e as informações obtidas pelo estudo bibliográfico, percebe-se que as todas as empresas utilizam o fluxo de caixa direto, em que as contas de entrada e saída de recursos são bem detalhadas e assim pode-se enxergar o dia a dia da movimentação da empresa.

Todas as empresas visitadas mantêm o seu fluxo de caixa atualizado e organizado.

Observando a rotina dos gestores e através de breves relatos dos mesmos, foi detectada a falta de gestão das informações financeiras da empresa, o gestor não inclui em sua rotina diária um tempo para analise dos números e resultados da empresa, segundo o gestor o único momento em que ele utiliza as informações do setor financeiro é para autorizar ou não os pagamentos do dia ou a utilização de algum recurso para uma urgência.

Os relatórios solicitados rotineiramente pelos gestores aos funcionários do setor financeiro são: Relatório de faturamento, Relatório de pagamentos do dia.

3 SOLUÇÃO PROPOSTA
O estudo bibliográfico realizado neste trabalho permite uma revisão geral nos conceitos de contabilidade gerencial, controladoria e ferramentas de gestão, dando enfoque ao fluxo de caixa.

Através da revisão destes conceitos e do contato com a realidade organizacional das empresas visitadas foi possível perceber que as empresas visitadas organizam suas informações financeiras de forma adequada e que os relatórios emitidos são alimentados diariamente pelos funcionários das empresas.

O que chama a atenção é o fato de que em todas as empresas visitadas, as informações do fluxo de caixa são adequadamente lançadas, porém são pouco utilizadas gerencialmente.

Os gestores das empresas possuem informações devidamente organizadas e de fácil acesso, porém estão bastante envolvidos com a operação de suas empresas e não disponibilizam um tempo maior para estudar seus recursos financeiros e planejar suas ações financeiras.

No caso das empresas estudadas especificamente a solução proposta é a de que os gestores passem por um treinamento “in loco” sobre como utilizar as informações geradas pelos seus relatórios, sobre como analisar os números antes, durante e depois das operações realizadas, entender o que significam e entender de que forma essas informações podem influenciar tanto positiva como negativamente nos resultados de sua empresa.

4 CONCLUSÃO
As empresas de transporte rodoviário de cargas abordadas neste estudo possuem todas as ferramentas necessárias para que haja uma gestão financeira eficaz, possuem softwares completos, que integram todas as áreas da empresa, possuem funcionários em todos os setores alimentando o sistema, gerando informações, porém falta aos gestores das empresas o entendimento da importância dessas informações geradas, o entendimento do que os números significam e de que maneira as análises financeiras podem ajudar a aumentar a produtividade e a fazer com que a empresa evolua.

5 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

ANDRADE, L. ANTT recadastrou 1,3 milhão de transportadores. Disponível em: <http://www.transportabrasil.com.br/2011/01/antt-recadastrou-quase-13-milhao-detransportadores/> Acessado em 08 set 2012.

ANTHONY, R. N.; GOVINDARAJAN, V. Sistemas de controle operacional. São Paulo: Atlas, 2002.

ARNOLD, J.R.T.: Administração de materiais. 1ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ASSAF NETO, A. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico – financeiro. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

ATKINSON, A. A., BANKER, R. D., KAPLAN, R.S., YOUNG, S. M.: ContabilidadeGerencial. São Paulo. Ed. Atlas, 2011.

BALLOU, R.: Gerenciamento da cadeia de suprimento/logística empresarial. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. BALLOU, R.: Logística Empresarial: Transporte Administração de Materiais e Distribuição Física, São Paulo, Atlas, 1995.

FARIA A. C., COSTA, M. F. G.: Gestão de Custos Logísticos. São Paulo: Atlas, 2005.

FLEURY, P.F., RIBEIRO, P.C.R., FERREIRA, K.A.: Logística e Transportes: Uma discussão sobre os modais de transportes e o panorama brasileiro. XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Curitiba – PR, 2002.

FLEURY, P.F.: Supply Chain Management.FLEURY, P.F, WANKE, P., FIGUEIREDO, K.F.: In: Logística Empresarial. Coleção COPPEAD de Administração. Centro de Estudos em Logística. SãoPaulo: Atlas, 2000.

GEIPOT, Anuário Estatístico, Ministério dos Transportes. Brasília (1998).

IBGC. Código de Melhores Práticas de Governança Corporativa,2009. Disponível em: http://www.ibgc.org.br.

IMAM– Instituto de Movimentação e Armazenagem de Materiais. Estatística sobre Transporte – GEIPOT. Disponível em <http://www.guiadelogistica.com.br/estatisticalog.htm> Acesso em 01 out 2012.

MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARQUES, José Augusto Veiga da Costa. Análise financeira das empresas: liquidez, retorno e criação de valor. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004

MULLER, C.J.; MICHEL, F.D.: Análise de Custo para empresa de transporte rodoviário de carga. Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.

NASCIMENTO, A. M.; REGINATO, L. Controladoria: um enfoque na eficácia organizacional. São Paulo: Atlas, 2007.

NOVAES, A. G.: Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. 3ºed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

– Associação Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas. Manual de formação de preços (tarifas) de transporte rodoviário de cargas. São Paulo. VI, n. 69, p.18-37, jul. 1996.

OLIVEIRA, L. M.; PEREZ JR., J. H.; SILVA, C. A. S. Controladoria estratégica. São Paulo: Atlas, 2002. PADOVEZE, C. L. Contabilidade gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 4. ed. São Paulo: Atlas: 2004.

REIS, N.G.: Formação de Custos no transporte rodoviário de carga. São Paulo, 2008.

TÓFOLI, I. Administração financeira empresarial: uma tratativa prática. Campinas: Arte Brasil, 2008.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

Fonte:


Desenvolvido por Controle Online - Desenvolvimento de aplicativos

Hospedado por Go Infinite