Congresso adia CPI das Fake News e comissão da Reforma Tributária

WhatsApp Image 2020-03-18 at 09.06.02.jpeg

Foto: Bruno Rocha/Foto Arena/Estadão Conteúdo

Senadores e deputados tinham encontro agendado para esta terça-feira nas duas comissões. A da Reforma Tributária receberia o ministro Paulo Guedes

A expansão do novo coronavírus no Brasil fez com que o Congresso Nacional adiasse na segunda-feira (16) pelo menos duas reuniões de trabalho de umas das mais importantes comissões mistas em andamento, a que discute a reforma tributária e a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das Fake News.

Senadores e deputados tinham encontro agendado para a terça-feira, dia 17, nas duas comissões. A da Reforma Tributária receberia em audiência pública o ministro da , Paulo Guedes.

O senador Roberto Rocha (PSDB-MA), presidente da comissão, suspendeu a audiência e informou que marcará uma nova data. Mesmo assim, disse que o governo pode encaminhar ao colegiado o texto de sua proposta de reforma tributária, um dos projetos econômicos mais aguardados desde o ano passado.

Já o senador Angelo Coronel (PSD-BA), presidente da CPMI das Fake News, mandou cancelar o encontro em que seriam votados 57 requerimentos de quebras de sigilo de empresas e pessoas suspeitas de usar as redes sociais para atacar adversários políticos e difundir informações falsas. A CPMI tem sido palco de embates entre governistas e opositores e já chegou a identificar atuação de aliados do governo, como um assessor do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

“Vamos aguardar a evolução para ver quando iremos marcar a próxima sessão”, disse Coronel, que aguarda resultado de exames laboratoriais e está em isolamento residencial em Brasília. Ele manteve contato com o primeiro congressista infectado pelo novo coronavírus, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS).

Desde o fim da semana passada, quando se confirmou o primeiro o caso de Trad, que retornou dos Estados Unidos na comitiva presidencial, aumenta a pressão para que a cúpula do Legislativo paralise todas as atividades no Congresso por pelo menos 15 dias.

Fonte:


Desenvolvido por Controle Online - Desenvolvimento de aplicativos

Hospedado por Go Infinite