SETCESP na Missão Emirados Árabes

2772.png

Presidente do SETCESP faz visita técnica aos Emirados Árabes junto com a cúpula do Governo do Estado de São Paulo

O SETCESP marcou presença na Missão Emirados. Tayguara Helou, presidente do Conselho Superior e de Administração da entidade, desembarcou no dia 7 de fevereiro em Dubai, junto com a equipe técnica do Governo do Estado de São Paulo, incluindo o governador João Dória e outras autoridades. A missão teve como objetivo a busca por novos investimentos e, com isso, a inauguração do escritório comercial de São Paulo no sudoeste asiático.

Os trabalhos tiveram início no domingo (9), em Abu Dhabi, com a apresentação de projetos do Governo do Estado aos empresários árabes, executivos de fundos de investimento da Adia (Abu Dhabi Investment Authority) e Mubadala Investment Company, e ainda, às autoridades como o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed Bin Zayed Al Nahyan; e o Ministro de Estado dos Emirados Árabes, Ahmed Ali Al Sayegh.

“Mesmo sendo domingo, nos Emirados é dia útil, portanto começamos os trabalhos logo cedo,” contou Tayguara. Neste dia houve uma visita à Mesquita Sheik Zayed Gran Mosque, e na sequência, o primeiro almoço de negócios no First Abu Dhabi Bank – FAB, uma das instituições financeiras mais renomadas no mundo, o banco tem muito interesse no desenvolvimento e privatização de infraestrutura rodoviária e portuária no Brasil.

Após o almoço, a equipe conheceu o Kizad Logistic Park (Parque Logístico de Kizad), um parque logístico integrado a uma área industrial. A Kizad é uma companhia privada que prove estrutura para que seus clientes possam ficar focados nos seus negócios, e ter à disposição infraestrutura fabril e de logística. Na sequência, o grupo visitou também a planta de produção da empresa brasileira BRF instalada em Abu Dhabi, onde a produção é focada em produtos industrializados, e assim como no Brasil, o processo logístico e distribuição é totalmente executado pela companhia.

Na segunda-feira (10), foi a vez de visitar a JAFZA – Jebel Ali Free Zone, o maior complexo portuário nos Emirados Árabes, e o 10° maior porto do mundo em termos de movimentação. No local os portões de entrada e saída são automatizados, “há um cadastramento prévio do rosto do motorista, do caminhão e do container, quando o motorista chega no portão, o sistema reconhece sua face, verifica o código do caminhão e do container e libera a sua entrada”, descreveu Tayguara.

Depois disso, foi a vez do governo paulista inaugurar o escritório da Investe São Paulo em Dubai, o segundo no mundo, o primeiro foi na China. O escritório tem como objetivo facilitar os negócios, a equipe da Investe São Paulo pretende ajudar as empresas locais a identificar as sinergias e oportunidades no Brasil para os Emirados Árabes e vice e versa. Na ocasião, Tayguara Helou aproveitou para conversar com o sultão Ahmed Bin Sulayem sobre o TRC brasileiro.

No dia seguinte, a equipe visitou a Dubai Chamber – Câmara de e Indústria de Dubai, uma câmara comercial de diversos setores econômicos.  A câmara visa a integração de negócios entre países do mundo inteiro e Dubai.  Ali foi aberto um espaço de networking entre diversas empresas que se interessam em fazer negócios com o Brasil.

Na parte da tarde, o grupo visitou a Masdar – Cidade Tecnológica, também conhecida como ‘cidade do futuro’, que está sendo construída na região metropolitana e deseja ser 100% sustentável com um plano audacioso para a mobilidade, no qual as pessoas vão se locomover apenas por veículos elétricos e autônomos.

No dia 12, quarta-feira, Tayguara almoçou com o Secretário da Fazenda e Planejamento do Governo de São Paulo, Henrique Meirelles e conversou sobre vários assuntos, entre eles, a reforma tributária que acontecerá no Estado. Neste mesmo dia, a comitiva foi a Dubai Science Park, no local há várias empresas nos ramos de tecnologia, imóveis sustentáveis e eficiência enérgica.

Por fim, a equipe visitou a Dubai Future Foundation, empresa do governo focada no desenvolvimento da cidade para o futuro. No local está sendo implementado o museu que quer apresentar como será a vida humana daqui há alguns anos. “É bastante inusitado porque os museus tradicionais retratam obras do passado; esse por outro lado, quer nos levar a imaginar o futuro, e tudo é tão fantástico que não vejo a hora de ver se o mundo estará assim, do jeito que eles retratam, daqui a uns 50 anos”, disse Tayguara.

“Conhecer as tendências de infraestrutura e negócios que estão acontecendo lá fora nos permite abrir os olhos para o Brasil. É claro que não dá para trazer tudo para cá, mas muitas coisas nós podemos adaptar à nossa realidade para tornar o nosso país mais eficiente em diversos setores”, concluiu Tayguara sobre a viagem.

Fonte:


Desenvolvido por Controle Online - Desenvolvimento de aplicativos

Hospedado por Go Infinite