Efeitos da guerra EUA/China é fantasma que já começa a assustar comércio exterior brasileiro

Fonte: Comex do Brasil
Comércio Exterior

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China afeta de forma crescente o comércio mundial e segundo o Indicador sobre as Perspectivas do Comércio Internacional divulgado ontem (19) pela Organização Mundial de Comércio (OMC) são evidentes as tendências particularmente negativas para as  exportações e importações. Os efeitos do contencioso entre as duas maiores potências econômicas do planeta podem começar a afetar, de forma significativa, as exportações de países emergentes, como o Brasil.


Na avaliação do presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, “o Brasil sera afetado duplamente por uma queda mais significativa do crescimento da China com a consequente retração do comércio exterior do gigante asiático”.


Segundo José Augusto de Castro, “caso aconteça de  os Estados Unidos e a China não chegarem a um acordo que acabe com a guerra comercial, a economia chinesa vai se contrair e isso afetará bastante o Brasil. Seremos afetados pela queda nas exportações de commodities como a soja, minério de ferro e petróleo, que em seu conjunto responderam por mais de 72% de todo o volume exportado pelo Brasil para os chineses em 2018 e também pela redução dos investimentos chineses no País. Ou seja: o Brasil sera afetado direta e duplamente”.


O presidente da AEB afirma que “já temos indicações de que vai ocorrer uma queda importante nas exportações de soja em grãos, o carro-chefe de nossos embarques para a China, que gerou no ano passado uma receita no montante de US$ 27,34 bilhões e este ano deverá cair pelo menos 17,8%. A queda nas exportações já é uma realidade. As vendas de estados produtores importantes como Mato Grosso, Paraná e Mato Grosso do Sul já apresentam índices de queda. O mesmo deverá acontecer em relação ao milho. Em consequência, haverá uma redução importante no superávit comercial a ser alcançado pelo Brasil neste ano não apenas em relação à China mas no conjunto de seus parceiros no comércio internacional”.


Por enquanto, a OMC segue mantendo uma previsão de alta de 3,7% do comércio mundial em 2019, mas a entidade já admite a possibilidade de começar a revisar essa estimativa no próximo mês de abril. E vê com maior pessimismo o futuro do comércio dos países emergente.


Esse declínio tornou-se evidente em dezembro do ano passado e deverá se  acentuar nos próximos meses. Medido em dólares americanos, as exportações desse grupo de países passou de 7,1% em novembro para 2,1% em dezembro, em termos anuais.


A contração foi mais pronunciada nos produtores de manufaturas, com queda nas exportações dos emergentes da Europa e da Ásia e nos próximos meses o mesmo deverá acontecer em relação aos países exportadores de produtos básicos, como o Brasil.


De acordo com a consultoria Capital Economics, as exportações dos países emergentes serão afetadas por três fatores: a escalada das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China; a redução internacional dos preços das commodities; a desaceleração do crescimento econômico global, com a consequente contração na demanda por exportações dos países emergentes.

São Paulo

Rua da Gávea, 1390 - Vila Maria
CEP - 02121-020 - São Paulo/SP
Fone - (11)2632-1500

Brasília

SAS – Quadra 1 – Lotes 3/4
Bloco “J” – 7º andar – Torre “A” Edifício CNT
CEP: 70070-010 - Brasília/DF
Fone - (61)3322-3133