Transportadores garantem que não faltarão produtos

Fonte: Diário do Comércio
Transportadoras

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

WhatsApp Image 2020-03-19 at 07.51.12.jpeg

Foto: Isadora Jacoby/Especial/ JC

Entidades do setor garantem que não faltarão alimentos

A corrida aos supermercados para fazer estoques durante os períodos de quarentena devido ao coronavírus gerou cenas que lembraram a experiência da população durante a greve dos caminhoneiros em 2018: filas nos caixas e gôndolas vazias. Entretanto, entidades do transporte e supermercadistas garantem que haverá abastecimento de produtos para a população.

"Somos como a banda tocando no Titanic, não podemos parar", destaca Afrânio Kieling, presidente da Federação das Empresas de Logística e Transporte de Cargas no Estado do Rio Grande do Sul (Fetransul). Segundo o dirigente, os transportadores e os caminhoneiros vão continuar operando. "O momento é sério, estamos conscientes, compartilhando informações sobre cuidados. Mas nosso maior patrimônio, que são os motoristas, estão dispostos a seguir em atividade", afirma Kieling.

Segundo o presidente da Fetransul, a maior preocupação não é a falta de caminhões, mas uma eventual redução na oferta de produtos para serem entregues devido a cortes na produção ou excesso de demanda. "Essa é uma avaliação que estamos monitorando. Sabemos que, em relação a alguns produtos básicos, como itens de higiene e álcool gel, os fabricantes não estavam preparados para a procura crescente, e precisam de tempo para aumentar a oferta e distribuí-la adequadamente", comenta.

Em nota, a Confederação Nacional do Transporte (CNT) afirmou que está atenta aos impactos econômicos que a pandemia já tem causado ao setor. Segundo a entidade, as empresas têm seguido as recomendações das autoridades de saúde para que as entregas sejam realizadas com segurança e responsabilidade, e que o setor é responsável por garantir que não faltem alimentos, medicamentos nem produtos de higiene e limpeza no País. "A CNT se coloca à disposição das autoridades para auxiliar no planejamento e na execução de ações emergenciais que possam auxiliar o País neste momento de crise", destaca a nota.

A Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) também havia informado que não há risco de desabastecimento de produtos nos supermercados gaúchos. "É hora de tranquilizar o consumidor, não haverá falta de alimentos ou de produtos de necessidade básica. Esta é uma situação diferente da greve dos caminhoneiros, por exemplo, quando o setor estava com dificuldades para receber as mercadorias da indústria. Hoje, o abastecimento está normal", explica o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo.

Conforme Longo, a ruptura de alguns itens em supermercados maiores, que provocou a sensação de falta de produtos, foi resultado do crescimento atípico da demanda. "Alguns itens registraram em algumas horas a venda programada para uma semana. Por mais eficientes que as empresas sejam, não há como reabastecer as gôndolas nesta velocidade", explica o presidente da Agas, sublinhando que as empresas têm estoques dos produtos e que, em algumas horas, o abastecimento é normalizado. "Não há risco de falta de alimentos nas lojas. A população não precisa se preocupar, já que os supermercados estão preparados, inclusive, para aumentar o abastecimento, caso necessário, como já acontece em datas festivas", conclui.

Mais Lidas

Siga no Instagram

logorodape

São Paulo

Rua Orlando Monteiro, 21 - Vila Maria
CEP - 02121-021 - São Paulo/SP
Fone - (11) 2632-1500
Whatsapp - (11) 99215-1576

Brasília

SAS – Quadra 1 – Lotes 3/4
Bloco “J” – 7º andar – Torre “A” Edifício CNT
CEP: 70070-010 - Brasília/DF
Fone - (61)3322-3133