Volume de fretes do agro cresceu 33% no 1º semestre

É o que apontam dados da plataforma Fretebras

O volume de fretes rodoviários do agronegócio aumentou em 33,2% no primeiro semestre de 2022 em relação ao mesmo período do ano passado, conforme dados da Fretebras, que levam em consideração uma base de análise de 4,7 milhões de anúncios publicados na plataforma.

De acordo com o 8º acompanhamento da Fretebras, o agronegócio representou 36% de todas as cargas, com um volume financeiro da ordem de R$ 17,5 bilhões. No geral, os fretes publicados pela plataforma movimentaram R$ 49 bilhões.

Cargas

Os produtos do agro mais transportados foram fertilizantes (25,6% do total do setor), soja (13%), milho (12,6%) e açúcar (4,2%).

Em função da quebra de safra no ciclo passado, os volumes transportados de milho cresceram este ano 64,7%. Outro é o trigo, cujo transporte aumentou 182,5% em razão da alta de preços e das após a invasão russa na Ucrânia, no fim de fevereiro.

Estados

O Rio Grande do Sul foi o Estado mais representativo nas movimentações do agronegócio, com 15,6% dos fretes, seguido por São Paulo (12,6%), Minas Gerais (11,9%) e Mato Grosso (11,5%).

Em relação aos do país, o relatório da Fretebras analisou a movimentação de fretes em Paranaguá (PR), Rio Grande (RS) e Santos (SP) – que, somados, representam cerca de 25% de todas as cargas do setor que entram e saem do Brasil.

Paranaguá

Em Paranaguá, houve queda nos fretes de fertilizantes. Na plataforma da Fretebras, a representatividade dos fretes desses produtos com origem no porto caiu 1,5 ponto percentual no primeiro semestre ante o mesmo período do ano passado.

De acordo com a Associação Brasileira de Transportes Aquaviários (ANTAQ), o volume de todos os produtos importados caiu 3,9%. Quanto às , houve queda de 1% no volume, com grande influência da estiagem que afetou a soja no sul do país. Na Fretebras, houve queda de 9,7 pontos percentuais na representatividade dos fretes do grão.

Rio Grande

No porto de Rio Grande, houve alta de 14,1% no caso dos fertilizantes desembarcados, de acordo com a ANTAQ. Na plataforma da Fretebras, os fretes do produto representaram 83,5% de todos os originados e a variação também foi positiva (+67,6%) na comparação entre os primeiros semestres.

No caso dos produtos embarcados, o porto gaúcho registrou queda no volume total do agro, mas o trigo se destacou positivamente, com aumento de 187%. O Estado exportou mais de 2,5 milhões de toneladas, volume recorde puxado pelos bons preços diante da guerra na Ucrânia.

Na plataforma da Fretebras, os fretes do cereal com destino a Rio Grande aumentaram 9.000% e representaram 37,1% das cargas com destino ao porto no primeiro semestre.

Santos

Em Santos, a comparação entre os primeiros semestres aponta alta de 43,5% no volume de fretes com origem no porto. De acordo com a ANTAQ, as importações no período aumentaram 3% em volume. E as também aumentaram. O crescimento no volume geral foi de 6,5%, sendo que o principal produto exportado foi a soja, que apresentou avanço de 8,1%. Na plataforma da Fretebras, a oleaginosa registrou o dobro de fretes no período. Os dados que compõem a 8ª edição do “Relatório Fretebras – O Transporte de Cargas” têm base no fluxo de dados da plataforma, que tem 740 mil caminhoneiros cadastrados e 18 mil empresas assinantes.

Fonte: Valor Econômico

Agronegócio

%d blogueiros gostam disto: